Como ter uma eficiente Precificação de Produtos

Como ter uma eficiente Precificação de Produtos

No passado não muito distante os varejistas utilizavam um processo praticamente 100% manual, onde eram afixados os preços com aquelas etiquetadoras e com as grandes oscilações ocasionadas pelos planos pré-real isso era um trabalho quase que inacabável, visto que algumas mercadorias costumavam ter um preço pela manhã e na parte da tarde já era outro.

Este cenário graças ao plano real não é mais a nossa realidade, com isso os varejistas enxergaram que teriam poderiam ter uma melhor eficiência com a gestão de preços, através claro de um bom sistema de gestão ERP, porém gestão de preços é uma visão mais voltada a processos mais comerciais e logísticos, ou seja, processos que normalmente terminam com a exposição do produto na loja.

A Gestão de Preços é importantíssima, pois neste processo é onde o setor comercial busca os melhores produtos com os melhores preços e junto à logística busca a eficiência tanto no transporte como também nos processos de recebimento, armazenamento e claro exposição nas lojas, isto quando a empresa não tem um Centro de Distribuição, pois com ele a empresa também deve incluir mais alguns processos como o de expedição e transporte que neste caso será com equipe interna.

Qual a diferença entre Gestão de Preços e Gestão de Precificação?

Gestão de Precificação vem depois da Gestão de Preços, ou seja, ela esta voltada às praticas adotadas para a operação de exposição de produtos, onde o produto é marcado, demarcado ou remarcado. E assim como na Gestão de Preços ele também tem diversos procedimentos a serem trabalhados na sua loja.

Primeiramente é importante que você saiba que todos os produtos que estão no piso de venda devem ter preços visíveis e com fácil entendimento, acho que este é um dos processo mais complicados hoje em dia, porque temo uma infinidade de produtos, são variedades que não acabam mais e cada dia que passa o mix só faz aumentar. Isto trás descrições enormes que muitas vezes não cabem na etiqueta de gôndola que normalmente tem o tamanho de 10x40mm.

Tornou-se uma missão impossível conseguir colocar toda a descrição do produto na etiqueta de gôndola, com isso surgiu um novo processo que foi colocar o código de barras nas etiquetas, para que assim o cliente possa verificar se o preço é realmente do item que tem em mãos. No entanto este processo quebra um direito importantissimo do consumidor o de ter preços de fácil entendimento, pois todos concordam que não é nada fácil o cliente pegar o produto e verificar se o código é o mesmo que esta no produto.

Você deve esta afirmando “não seria mais fácil colocar o preço no produto e pronto”, seria! No entanto a operação não é nada fácil, como temos um mix que no mínimo tem oito mil itens, não é fácil ter preço em todos os produtos, isso faz com que as etiquetas sejam a pratica mais eficaz, mas para que ela funcione devemos nos atentar a alguns processos:

  • Todo produto deve ser exposto com a sua etiqueta de gôndola, não esqueça que nela deve ter as informações básicas exigidas, que é descrição, código de barras e preço. Com isso vem uma dica importantíssima, a maioria das empresas tem uma pessoa responsável pela precificação e gerenciamento da margem, normalmente é esta pessoa que imprimi as etiquetas de gôndola, minha dica é tente ter mais eficiência neste processo com a automação de preços, é simplesmente um terminal onde os repositores e promotores da loja scaneam os produtos, colocam as quantidades de etiquetas necessárias e é só confirmar. Claro para que este processo funcione você deve verificar se o seu ERP tem isto homologado, caso contrario vale muito a pena investir, lembre-se que a eficiência é o primeiro passo para a excelência.
  • Ao mudar o layout das gôndolas nunca se esqueça de também mudar as etiquetas de lugar, muitas vezes você tira uma marca de achocolatado de lugar, coloca a marca x no lugar da marca y, isso trás confusão para o cliente. Para ele o preço é o que esta abaixo do produto, pois temos que entender que a descrição é apenas o segundo passo do processo do cliente, você agora deve esta se perguntando como assim? Existem 3 passos no processo de verificação, ao quais eu descrevo abaixo:
  1. Primeiro passo – O cliente verifica o preço do produto, pois ressalto que o preço sempre é o item em fonte maior na etiqueta;
  2. Segundo passo – O cliente verifica a descrição do produto, na maioria das vezes ele nem verifica, cabendo muitas vezes este processo ao colaborador em casos onde existam divergências no momento de passar a mercadoria no caixa;
  3. Terceiro passo – O cliente verifica o código de barras do produto, normalmente este também entra no mesmo processo do segundo.
  • Os terminais de consulta de preço não devem ter divergências entre etiquetas de precificação e PDV, cuidado que isto trás grandes transtornos tanto com cliente como com os órgãos fiscalizadores.
  • Não se esqueçam das placas promocionais, as placas onde você destaca produtos que estão em promoção, seja qual for o tamanho devem ter todas as especificações da etiqueta de gôndola.
  • Atualização de preços, os preços oscilam claro que não com a velocidade que existia a vinte anos atrás, ainda bem, então é importante que ao alterar nunca esqueçam de troca-las rapidamente, sempre peço que as cargas de preços, processo que muda os preços nos PDVs e nos Terminais de Consulta de Preços, sejam realizados em horários de pouco movimento, ou se possível nenhum movimento que seria com a loja fechada, pois evita aquele problema que é o cliente pegar o produto na gôndola e a placa esta por R$ 1,99 no entanto quando o mesmo passou no caixa esta por R$ 2,25, neste caso o cliente reclama, o fiscal vai até o lugar do produto mas a etiqueta já foi trocada e o preço é de R$ 2,25, isso além de gerar problemas com o cliente que mesmo tendo o desconto no PDV sai reclamando e dizendo que vai ficar mais atento pois isso pode acontecer sempre e ele nunca ter percebido, claro que na maioria dos casos onde o preço no PDV esta menor que o da gôndola o cliente normalmente não reclama, essa é a Demarcação de preços que seria a baixa de produtos a Remarcação é a alta dos produtos.

 Ao gerar carga de preços na loja emita sempre um relatório dos preços que foram alterados, é isto que dará ferramenta para o gestor da loja, é isto que faz a gestão de precificação o relatório de preços onde o gestor terá um norte em meio a tantos itens dentro de sua loja.

Com o relatório em mãos o mesmo deve fazer um tour na loja, verificando item por item se foram devidamente trocadas às etiquetas de gôndola e placas promocionais, assim como também verificar se não existem divergências entre os preços expostos na loja e os PDVs e Terminais de Consulta.

Com isso você pode mensurar como esta a eficiência da Precificação da sua loja, no entanto este será um próximo assunto a debatermos aqui no site, este artigo traz os processos operacionais a serem seguido no próximo garanto que vamos falar sobre mensuração. Peço que compartilhem nossos artigos e deixem seus comentários, também estou aberto a receber emails com sugestões para artigos e podcasts enviem para contato@balbino.info aguardem que em breve teremos curso gratuito e online em nosso canal no Youtube, um abraço a todos!

Related Posts

Facebook Comments